Manjericão, um pouco mais que a cor verde da pizza Margherita

De origem indiana, com vários nomes populares, o Ocimum basilicum, mais conhecido como Manjericão possui diversas espécies, aromas e sabores inigualáveis que por vezes pode substituir o sal.
A forma de coração de suas folhas (coração), fez com que o manjericão fosse considerado símbolo do amor, na Itália, e do luto, na Grécia. No século passado, o manjericão era usado pelos sapateiros para atenuar o cheiro do couro.
Pode ser encontrado fresco e seco, porém o fresco é mais indicado devendo ser adicionado no ultimo momento antes de servir o prato, para assim não perder com facilidade seu aroma, e atenuar saborosamente o prato. Para conservá-lo melhor, devemos picá-lo e colocar em um recipiente fechado, adicionando um pouco de azeite extra virgem, caso seco, deve ser conservado em recipiente fechado protegido da luminosidade. Um aromático perfeito para ser utilizado em massas, molhos de tomate, peixes, saladas e legumes, e em alimentos como a tradicional pizza Margherita.
Além de todas as propriedades aromáticas e gastronômicas, o manjericão também possui diversas curiosidades místicas e utilizações terapêuticas.Muitos acreditam que, seu perfume emanado pela casa, traz harmonia e vigor ao casamento, plantado inibe a entrada de energia negativa, e nos florais, é indicado para pessoas desorganizadas e indisciplinadas.
Suas propriedades terapêuticas incluem alivio dores de garganta, cicatrização de aftas, auxilio para tosses, resfriados ou crises de bronquite além de ajuda a combater dores de cabeça, enxaqueca e gastrite.
Em sua composição, podemos encontrar nutrientes como cálcio
vitamina A e B2.
Que tal apreciarmos melhor o aroma, sabor e benefícios do manjericão ?

Nutricionista Jéssica Sillas

 

Fermento em pó, nem todos são iguais

Na verdade existem diferentes tipos de fermentos em pó, no entanto,  todos eles atuam liberando gás  carbônico e proporcionando o “crescimento” das massas,.
Podemos Dividir em dois tipos:
Bicarbonato de Sódio
Substancia química simples que em contato com líquidos ácidos libera gás dióxido de carbono   ( por exemplo: contato com leite ou soro de leite).
Fermento em pó clássico
É o composto originado da mistura industrial do Bicarbonato de Sódio com algum ácido seco    ( Monoidrato de Fosfato Monocálcico,  Diidrato de Fosfato Dicálcio, Sulfato de Alumínio e Sódio…). Comumente é utilizado em massas que não contem compostos ácidos, quando em contato com líquidos ocorre a liberação do gás carbônico.
Fermentos duplos
Na verdade os compostos chamados de fermentos químicos possuem os dois tipos de misturas, são os chamados fermentos duplos. Inicialmente com a mistura úmida liberam parte do gás produzido e, gradativamente com o aquecimento no forno, vai liberando outras partes de gás, conferindo um aspecto “fofo” ao produto final.

O bicarbonato de Sódio possui data de validade muito longa, não perdendo suas características com o passar do tempo. Já o fermento em pó, de acordo com a sua composição, sofre reações naturais entre os compostos, contato com líquidos e exposição ao ar ambiente. Uma boa técnica de avaliar a sua integridade é misturar um pouco do fermento em pó com água, aquele com boa qualidade, desencadeará um processo químico com grande liberação de gás e borbulhas.

Alecrim na culinária e na nutrição, o amigo perfeito


Rosmarinus Officinalis
é o nome científico desta planta, que é oriunda de plantações de um clima mais seco, principalmente na região européia. Suas propriedades benéficas têm sido pesquisadas, e atualmente, tem se falado muito a respeito da extração de dois de seus ácidos constituintes que seriam o ursólico e o carnósico e de seu efeito antioxidante, além do largo espectro de utilização na conservação de gêneros alimentícios.
Mas é claro que não poderíamos nos esquecer de sua aplicação culinária, e já que a Europa é um dos grandes berços gastronômicos, repletos de sabores, o alecrim não deixa de participar na formulação de óleos, e no enriquecimento das características organolépticas de carnes, como as de carneiro.
Esta erva aromática, na Itália chamada de Rosmarino, também ressalta o sabor dos alimentos durante a cocção, principalmente de vegetais e sopas e pode ser adicionada a massa de pães durante o seu preparo. Na frança é item crucial para o preparo de peixes, e na decoração de pratos utilizam-se tanto os ramos quanto as folhas que devem ser retirados após o início da refeição.
Seu sabor, presente na nossa memória gustativa, já alimenta ações de formulação em alimentos industrializados. Inúmeros caldos prontos e pós preparados para tempero, recentemente lançados na Europa, colocam o “Rosmarino” como a alavanca principal de sopas, temperos de aves e outras carnes.
Vamos avaliar….

Trufas e Cogumelos, não são iguais…

A famosa trufa é similar ao funghi, ambos pertencem à ordem dos Tuberales (classe Ascomycetes). Porém, enquanto o funghi possui um corpo vegetativo representado de um mofo branco (micélio), constituído de milhares de filamentos extremamente sutis e finos, o tartufo vive escondido em terrenos e se une fisicamente em minúsculas raízes de varias plantas da floresta, denominada “micorriza”.

O Tartufo pode ter uma superfície lisa ou verrugosa. Sua cor pode ser branca, amarelada, preta ou mesclada. Existem dezenas de espécie, cerca de trinta somente na Europa, distribuídos nos vários continentes.
A China, paraíso das cópias e da fabricação de marcas parecidas e totalmente iguais às originais, não poderia deixar de ficar fora desse mercado, já existem muitas trufas produzidas na China, vendidas disfarçadas nas prateleiras gourmet ao redor do mundo.

A espécie mais apreciada, porém, possui zona de produção extremamente limitada. Geralmente são provenientes da região Toscana e Piemonte, e seu crescimento é a cerca de 10 a 12 centímetros abaixo da superfície do solo nos bosques habitados por uma árvore de poucas folhagens conhecida como “Pioppo”. Há dois tipos de “Pioppo”, o escuro e o Branco. Um dos maiores segredos é a localização desses ninhos secretos de trufas, geralmente cada caçador só sai acompanhado de seu cachorro, um importante aliado, pois é do seu olfato que se descobrem os locais secretos.

Como é um ingrediente selvagem, alcança preços estratosféricos. Um quilo da iguaria pode chegar a US$ 4 mil. O que significa muitos reais a mais no prato por contar de algumas gramas.

 

Sojinha salgada, uma boa opção nutritiva e saborosa.

A soja, natural e salgada pode ser útil em tornar as saladas e farofas mais crocantes, melhorando o paladar e a aceitação.

Sem contar também que, com isso, estaremos melhorando a qualidade nutricional dos nossos pratos. A soja, além de rica em proteínas e isoflavonas, nutrientes protetores às doenças do coração, pode fornecer minerais que ajudam o metabolismo das células, regeneram tecidos e previnem o envelhecimento.

Mas, como sempre, o Sódio é um perigo

Informação nutricional – Porção de 10g (1/2 colher de sopa)

Valor calórico

50 Kcal 2%
Carboidratos < 1g 0,%
Proteínas 4g 7%
Gorduras Totais 4g 5%
Gorduras Saturadas 2g 7%
Colesterol 0mg 0%
Fibra Alimentar 1g 4%
Cálcio 18mg 2%
Ferro 0,5mg 3%
Sódio 32mg 1%

Adaptado de Moinho Special, 2003

% – valores diários de uma dieta de 2500cal

 

Molho chimichurri, a alegria dos restaurantes argentinos, sob a ótica da nutrição

O clássico e famoso molho das churrascarias argentinas possui muitos ingredientes que atuam no sabor e no aroma. No entanto, à luz da nutrição, descobrimos que possuem fitoquímicos em abundancia, responsáveis por inúmeras ações de prevenção às doenças crônicas.
– Redução do LDL colesterol
– Redução do nível  de triglicéride sanguíneo
– Ação antioxidante de forma geral

Vejam a receita clássica:

10 unidade(s) de pimenta dedo-de-moça fresca(s)
1 unidade(s) de pimentão verde
1 unidade(s) de cebola
6 dente(s) de alho
1 xícara(s) (chá) de água
1/2 xícara(s) (chá) de azeite de oliva
2 1/2 colher(es) (sopa) de orégano
2 colher(es) (sopa) de sal
1/2 colher(es) (sopa) de pimenta-do-reino branca
Modo de fazer:

Corte em pedaços pequenos os quatros primeiros ingredientes; lave antes a cebola caso queira tirar um pouco o ardido dela, coloque primeiro a cebola com um pouco de água no liquidificador e ligue-o por um minuto ou banhe rapidamente em água quente, depois vá juntando aos poucos todos os ingredientes e bata-os por 4 minutos, ele formará um molho um pouco pastoso.
Pode ser utilizado como entrada, para passar no pão ou, classicamente< sobre pedaços de carne mal passada.
 

 

Alho Poró, o vegetal curinga….

O Alho Poró é conhecido desde a antiguidade pelos egípcios, gregos e romanos, inclusive com citações bíblicas, além de ser uma planta símbolo do País de Gales. Pode ser encontrado durante todo o ano, porém sua safra se concentra mais no inverno. É considerada uma planta herbácea, ou seja, do mesmo grupo que o alho e a cebola, porém apresenta um sabor mais suave e doce.

Geralmente a parte branca da hortaliça que cresce sob a terra, é a mais consumida pela grande variedade de preparações existentes com a mesma, porém é de costume utilizar as folhas para temperar sopas e molhos. Na hora da compra, deve-se ficar atento, dando preferencia as hortaliças que estão com folhas verdes e firmes e com a parte branca sem machucados.

O que chama atenção, é sua composição nutricional, sendo rico em vitaminas A, B e C, Potássio, Cálcio, Fosforo e fibras, além de ter propriedades anti-inflamatórias, diuréticas e contribuir para um melhor funcionamento do intestino. O alho poró  auxilia Na resposta imunológica e resistência à infecções, controle da hipertensão, arteriosclerose, cálculos renais e fraquezas.
Além disso, o alho poró apresenta poucas calorias, sendo usado para perda ou manutenção do peso,  compondo as dietas na preparação de caldos, saladas e em cozidos.
Na gastronomia moderna ele é uma grande unanimidade, presente em qualquer molho de tomate e em todos os caldos básicos.

O alho poró não apresenta contra indicações, porém, devido a importante presença do Potássio na sua composição, as pessoas que tem indicação de ingestão controlada de potássio precisam ficar atentas com a quantidade ingerida.