Fogão a lenha na mira da saúde pública

Segundo dados da OMS (Organização Mundial da saúde), o fogão a lenha, ícone da cozinha interiorana brasileira, é responsável por 2 milhões de óbitos por ano. Esses dados configuram o cozinhar a lenha, em ambientes fechados, como um dos maiores fatores ambientais responsáveis por mortes.

Estima-se que 3 bilhões de habitantes do planeta vivam ao redor de hábitos alimentares focados no cozimento utilizando como biomassa a lenha, carvão e esterco animal.

O fogão a lenha, continuadamente em funcionamento, além do preparo dos alimentos é um importante fator de aquecimento domiciliar. Nesse sentido, o ambiente vedado, para preservar o calor, torna-se o fator decisivo na inspiração de inúmeros gases tóxicos.

Segundo pesquisa da chef Heloisa Bacellar, a utilização do fogão a lenha possui um componente emocional muito maior que a eficácia no preparo dos pratos. A chef testou o cozimento do feijão no forno a lenha versus o cozimento na panela de pressão e na panela comum utilizando o fogão a gás, os resultados sensoriais não mostraram resultado significativo no quesito identificação da origem no preparo.

Certamente a discussão continuara, como trocar o fogão desse inúmeros domicílios e como convencer os amantes da culinária caipira?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s