Chocolate está firme e forte na estimulação sexual

beneficios-de-comer-chocolate-300x207Há séculos o chocolate esta relacionado ao prazer, a vontade e ao sucesso na atividade sexual. Talvez essa fama se deva aos Astecas, a colheita do cacau coincidia com festivais de acasalamento e orgias sexuais, passaram essas impressões aos espanhóis que as levaram a Europa.
A verdade é que o verdadeiro e atual chocolate consumido foi desenvolvido pelos franceses, ao acrescentarem leite e açúcar, os espanhóis utilizavam o cacau em infusões que eram consumidas em festas e comemorações, talvez tentando imitar os Astecas.
O cacau possui duas substancias com ação neurotransmissora, Triptofano e Feniletilamina. O Triptofano provoca sensações de alegria e sonolência, já a Feniletilamina remete a quadros de euforia. Essas ações, observadas em experimentos animais requereriam, quando efetivada nos humanos, de grande quantidade de consumo, impossível com a utilização regular de chocolate.
Outra substancia presente no chocolate é a Teobromina, de ação metabólica muito semelhante à cafeína. No consumo excessivo provoca taquicardia e aumento da capacidade respiratória, sem relação direta com estímulos sexuais.
Certamente a melhor resposta para os inquéritos epidemiológicos que fornecem resultados positivos na relação entre consumo de chocolate e melhora sexual, esteja na observação das sensações gustativas do chocolate na boca. Na alimentação com o chocolate, o prazer dos seus aromas e sabores inicia na boca com uma sensação de prazer, aliada certamente, à cremosidade e a facilidade de derretimento na temperatura corporal.
A adição da gordura e do açúcar no preparo do chocolate, fornece subsídios metabólicos para liberação pelo Sistema Nervoso central de serotonina e dopamina, neuro hormônios relacionados à melhora do humor, sensação subjetiva e predisponente ao aumento da libido.
O chocolate, principalmente o amargo, possui grande quantidade de flavonoides, fitoquimicos com relação direta com a longevidade e capacidade de antioxidação, será que além de bom para o coração é um estimulante sexual?

Afrodisíacos nutricionais na história da humanidade

A história esta repleta de alimentos ou preparações de culinária relacionadas ao sexo. Os relatos de Casanova ao consumo de ostras e o aumento de sua “potencia sexual” são famosos e muito explorados pela indústria cinematográfica, literatura e  conversas de botequim.
No entanto existem outros alimentos também “relacionados ao tema”

Chocolate: rico em fitoquímicos que interagem com hormônios centrais de prazer e estimulo ás sensações de relaxamento ao stress mas, na verdade, sem ação direta com a função sexual.
Chanpagne com morangos: essa combinação ganhou fama com os galanteios de James Bond às suas conquistas, não possui relatos científicos ou sequer pesquisas relacionadas.
Caviar: Em muitos tratados históricos e biografias esta relacionado ao sexo e aos preparativos de momentos prazeirosos, e sempre citado acompanhado de chanpagne e vodca, talvez a ambientação de sedução promova efeitos tipo placebo, nada mais do que isso…
Trufas: Produto agrícola de regiões francesas e italianas, possui mistérios de preparo e a sua coleta esta envolvida em histórias secretas de poder e gastronomia. Diversas receitas utilizando as trufas em preparados isolados ou em recheios de aves selvagens relacionam o aumento da libido, inúmeros monarcas europeus deliciavam-se desses preparados em noites de descobrimento de novas amantes, talvez nessas novas conquistas e em todo o mistério do novo, esteja o segredo do alimento.
Gengibre: Alimento relacionado ao desejo sexual e na ampliação do momento de prazer, de verdade somente uma discreta ação vasodilatadora, sem comprovação dessa ação nos órgãos sexuais.
Ovos de codorna: A sua maior reputação esta em uma famosa musica de Luiz Gonzaga, seus similares, como ovos de pato e galinha representavam a fertilidade e sempre intrigaram os povos antigos, dos ovos nasciam os pintinhos e patinhos, mas com o seu consumo não possue validações em incremento de poder sexual.
Alho, amendoim, catuaba e ginseng: Famosos alimentos do anedotário brasileiro, mas somente no anedotário. Alguns pesquisadores ainda tentaram relaciona-los ao sexo, citavam o triptofano e a alta concentração de zinco, não conseguiram qualquer prova irrefutável.
Tomate: útil em molhos e em inúmeros pratos, sua história se confunde com a sua denominação antiga de pomme d`oro, maça do amor etc, mas somente serve como maravilhoso ingrediente de molhas e componente de saladas.
Mandragona: Um dos alimentos citados em crônicas de Maquiavél, na verdade, é uma planta da família da batat.a e do tomate, segundo Dias Lopes em crônicas jornalísticas. Seu mistério e sua fama remontam na utilização em preparados milagrosos para engravidar e manipular mulheres casadas e ávidas por amor, sempre segundo Maquiavél…

Na verdade não existem alimentos definitivamente relacionados à função sexual, podem existir nutrientes que ajudam na produção hormonal, na formação de espermatozoides ou no envolvimento emocional com as relações envolvendo, amor, sexo e prazer.
O ideal, independente de qualquer intenção, é sempre consumi-los e aumentar a nossa qualidade gastronômica e o prazer de viver!!

O tomate, quem diria, começou sua carreira como alimento afrodisíaco

Diversos tratados históricos e de nutrição sempre descrevem o consumo do tomate, uma fruta, para quem não conhece detalhes de agronomia, relacionado ao fornecimento de importantes nutrientes como Magnésio, Cálcio, vitamina C e Licopeno. Do lado histórico, traçam um paralelo ao boom da gastronomia europeia e a “importação” do tomate, proveniente da América, na era dos descobrimentos.

Inicialmente, como folhagem decorativa, dada a sua coloração verde clara contrastante com o vermelho de seus frutos e a sua característica de trepadeira, logo assumiu ares de planta afrodisíaca.
Para tanto concorreu a sua grande produtividade, crescimento rápido e envolvente em cercas, estacas e grades.
Os italianos atribuíam uma característica marcante no relacionamento sexual, chamavam os frutos do tomateiro de maças do amor ou maçãs de ouro, em italiano “Pomodoro”, segundo chefs e historiadores, o seu consumo estaria relacionado à fecundidade, prazer e beleza decorativa.

 

As pimentas e o estimulo sexual em mulheres


Alguns trabalhos científicos e relatos de receitas afrodisíacas, colocam a pimenta dos monges como a melhor alternativa para  estímulos sexuais. Quase todos os relatos associam melhora em libido em mulheres, no entanto, muitos desses trabalhos divergem em relação a dose e tempo de utilização.

A pimenta dos monges (Vitex agnus-castus) pode estar associada com diversos efeitos benéficos na saúde e desejo sexual da mulher. Esta erva contém vários constituintes ativos tais como, flavonoídes (casticina, kaempferol, quercetagetina), glicosídeos iridoídes (agnosido e aucubosido), além de óleos essenciais como limoneno, cineol e pineno .

A ação terapêutica da pimenta dos monges é atribuída a efeitos indiretos dos seus componentes sobre os níveis de hormônios como a prolactina e progesterona. Provavelmente estes efeitos hormonais ocorrem de forma dose dependente, pois, baixas dosagens de extrato de pimenta resultam em diminuição dos níveis de estrógeno e aumento dos níveis de progesterona e prolactina, possivelmente pela inibição do hormônio folículo estimulante (FSH) e estimulando os níveis de hormônio luteinizante (LH).

Os homens, com deficiências hormonais, podem apresentar quadro de disfunção erétil, diminuição da libido (desejo), infertilidade, baixa produção de espermatozóides e aumento no volume das mamas.
Em ambos os sexos, o excesso do hormônio prolactina pode determinar diminuição da densidade mineral óssea e até osteoporose. Outras manifestações que podem ocorrer: depressão, ansiedade, edema e obesidade.

A prescrição de 30 a 40 mg dia (quantidade presente em porções equivalentes a três colheres de sopa) já foi aprovada para irregularidades no ciclo menstrual, Tensão Pré-menstrual (TPM) e menopausa precoce, fatores que geralmente podem comprometer o desejo e a atividade sexual feminina .

A pimenta dos monges é geralmente bem tolerada, apresentando poucos efeitos colaterais.  Os efeitos são geralmente de natureza  gastrointestinais, dor de cabeça, vertigem, cansaço e boca seca.

O consumo regular de Capsicum spp. Pode, por outro lado,  promover a saúde dos vasos,  reduzindo o risco de doenças cardiovasculares.

Chocolate desvendado nos detalhes da estimulação sexual

Há séculos o chocolate esta relacionado ao prazer, a vontade e ao sucesso na atividade sexual. Talvez essa fama se deva aos Astecas, a colheita do cacau coincidia com festivais de acasalamento e orgias sexuais, passaram essas impressões aos espanhóis que as levaram a Europa. A verdade é que o verdadeiro e atual chocolate consumido foi desenvolvido pelos franceses, ao acrescentarem leite e açúcar, os espanhóis utilizavam o cacau em infusões que eram consumidas em festas e comemorações, talvez tentando imitar os Astecas.
O cacau possui duas substancias com ação neurotransmissora, Triptofano e Feniletilamina. O Triptofano provoca sensações de alegria e sonolência, já a Feniletilamina remete a quadros de euforia. Essas ações, observadas em experimentos animais requereriam, quando efetivada nos humanos, de grande quantidade de consumo, impossível com a utilização regular de chocolate.
Outra substancia presente no chocolate é a Teobromina, de ação metabólica muito semelhante à cafeína. No consumo excessivo provoca taquicardia e aumento da capacidade respiratória, sem relação direta com estímulos sexuais.
Certamente a melhor resposta para os inquéritos epidemiológicos que fornecem resultados positivos na relação entre consumo de chocolate e melhora sexual, esteja na observação das sensações gustativas do chocolate na boca. Na alimentação com o chocolate, o prazer dos seus aromas e sabores inicia na boca com uma sensação de prazer, aliada certamente, à cremosidade e a facilidade de derretimento na temperatura corporal.
A adição da gordura e do açúcar no preparo do chocolate, fornece subsídios metabólicos para liberação pelo Sistema Nervoso central de serotonina e dopamina, neuro hormônios relacionados à melhora do humor, sensação subjetiva e predisponente ao aumento da libido.
O chocolate, principalmente o amargo, possui grande quantidade de flavonoides, fitoquimicos com relação direta com a longevidade, antioxidação dos famosos radicais livres e redução da aterosclerose, certamente quem vive pouco utiliza pouco o seu potencial sexual, talvez nesse aspecto a melhor contribuição do chocol

Consumo excessivo de carnes em “dietas de proteínas” pode ser repelente sexual.

Já existem vários estudos relacionando os odores do parceiro ao desejo sexual. Alguns muito interessantes ressaltam que homens em utilização das famosas dietas de restrição total de carboidratos e abuso de proteínas exalam cheiros considerados repelentes às parceiras.
Em estudos comparando homens com dieta de restrição de carboidratos versus homens com dietas vegetarianas, o suor axilar, dos carnívoros, avaliado por mulheres, foi mais repugnante e repelente sexual do que o suor dos vegetarianos.
As causas relacionam principalmente com a produção de cetonas, resultado final do metabolismo das proteínas, que são eliminadas no suor e na urina. Existem também referencias ao hálito cetonico no grupo carnívoro.
No entanto, para os vegetarianos o sucesso sexual não é total, todos conhecemos os hálitos decorrentes do consumo de alho e cebola…

Gengibre na alimentação alternativa e na saúde.

O gengibre é uma planta de origem asiática, com sabor característico picante e forte, pode ser usado tanto em pratos salgados quanto nos doces. È encontrado em diversas formas: fresco, seco, em conserva, em cápsulas (em pó) ou cristalizado.

O gengibre em pó tem o sabor mais suave e diferente do fresco. Por isso, o gengibre em pó não pode substituir o gengibre cru, como em receitas por exemplo. É muito usado na confeitaria e em padarias para fazer bolos, pães, biscoitos e tortas. Também combina com frutas e legumes e faz parte de várias misturas de temperos.

Como planta medicinal, o gengibre é uma das mais antigas e populares do mundo, sempre foi muito aclamado por seus efeitos positivos no sistema digestorio. Ele contém um antiinflamatório natural que pode ser utilizado para aliviar a dor. Suas propriedades terapêuticas são resultado da ação de várias substâncias, especialmente do óleo essencial, que contém canfeno, felandreno, zingibereno e zingerona; por isso é utilizado na fitoterapia.

È considerado também um alimento termogênico, pois é capaz de elevar a temperatura do corpo, forçando o organismo a gastar mais energia acelerando o metabolismo. Além de facilitar a digestão de alimentos gordurosos, aliviando enjôos e desconfortos abdominais.

Em alguns tratados relacionando alimentos e ações voltadas à performance sexual, o gengibre desponta pela sua eficácia. No entanto, restam duvidas sobre a sua validação científica, talvez a explicação esteja relacionada ao efeito termogênico e vasodilatador

Autora: Fernanda Saccoletto

Ostras na libido, fertilidade e potencia sexual

 As ostras são um alimento muito rico em minerais, vitaminas e pobres em calorias, visto que possuem baixa composição nutricional em lipídios e carboidratos.

Cerca de seis ostras cruas ou cozidas no vapor fornecem a quantidade de zinco necessária para cinco dias.

O zinco é necessário para a produção de esperma e manutenção da potência masculina, tendo fama de aumentar a libido. Sabe-se ao certo que uma carência de zinco provoca infertilidade e impotência, muitos trabalhos científicos com soldados e pessoas desnutridas, relacionaram impotência e falta de libido com deficiência no consumo de Zinco.

Sendo ou não um alimento afrodisíaco, é certo que se trata de uma fonte de muitos nutrientes vitais.
As ostras são pobre em calorias e gordura e com cerca de 10% de proteínas.

Podem ser consumidas cruas, com variados molhos acidos ou mesmo suco de limão.
Algumas observações clinicas associam o consumo de ostras com molhos de gengibre e champagne como a melhor relação custo benefício no tratamento da impotencia,
Na verdade esses trabalhos carecem de validade científica e passam muito perto do folclore da alimentação !!

 Valor nutricional de 100g de ostras:

• 57 Kcal;
• 6 g de proteína;
• 4 g de hidratos de carbono;
• 1,9 g de gordura.

Nutrição e sexo, o que há de verdade?

Há milênios existem informações ou relatos que fazem um mergulho nas profundezas das sensações causadas pela junção do corpo humano ao alimento, não me referindo as inúmeras reações orgânicas vitais, e sim a reações de prazer e melhora da performance sexual que o alimento pode causar.

Estes alimentos por sua vez ficaram conhecidos pelo termo alimentos afrodisíacos, nome que deriva do grego “aphrodisiakó“, que tem como sua origem a deusa da beleza Afrodite. Então alimentos afrodisíacos são todos os aqueles que possuem nutrientes que estimulam o apetite sexual, seja pelo aumento da produção de hormônios sexuais, ou pela liberação de neuro-estimulantes, ou até pelo aumento da micro-circulação das áreas pubianas. Apesar de existirem relatos sobre os alimentos afrodisíacos deste as primeiras civilizações, até hoje existem poucas explicações científicas, mas estas poucas explicações são constantemente citadas e utilizadas pelo público em geral.
No livro: Nutrição e Sexo a nutricionista Christiane Castro traça um perfil científico dos principais alimentos relacionados com a função sexual, vejam abaixo:
Alimentos com algumas referencias na literatura

– Gengibre: 1 colher de café por dia – sugestão de utilização: tempero de molhos para aves, no molho para salada, batido no suco, mastigação do gengibre cru;
– Pimenta: 1 colher de café de molho de pimenta vermelha – sugestão de utilização: dividir esta quantidade durantes as refeições;
– Chocolate: 1 quadrinho de barra por dia;
– Grão de bico: 30 gramas duas vezes por semana – sugestão de utilização: pode-se utilizar o grão de bico pronto para uso  comendo isoladamente ou com outros alimentos (salada, carnes, arroz);
– Frutos do mar: 30 gramas duas vezes na semana – sugestão de utilização: pode ser marisco (5 unidades), ostras (5 unidades), vôngole (10 unidades)
– Sardinha: 1 unidade duas vezes na semana;

Chocolate e Prazer

O grande escritor Gabriel Garcia Márquez, em seu livro “Do Amor e Outros Demônios”, fala da vida de Bernarda Cabreno, uma das suas protagonistas, que possuía uma fugaz ânsia para a sedução. Em suas palavras:
Bernarda Cabrena, mãe da menina e esposa sem título do marquês de Casalduero, tomara naquela madrugada um purgante dramático: sete grãos de antimônio num copo de açúcar rosado. Tinha sido uma mestiça bravia da chamada aristocracia de balcão, sedutora, rapace, farrista, com uma avidez de ventre de saciar um quartel. Entretanto, em poucos anos se apagou do mundo devido ao abuso de mel fermentado e das barras de cacau.Obscureceram-se os seus olhos ciganos, acabou-se-lhe a vivez, obrava sangue e lançava bile, e seu corpo de sereia ficou inchado e acobriado como de um morto de três dias, e soltava umas ventosidades explosivas e pestilentas que assustavam os Martins.
Op cit (p.15 à 16)

A citação acima pode ser atribuída ao inicio do esfacelamento da unidade da América Espanhola. A partir disto podemos concluir que o uso de bebida fermentada (alcoólica) a mistura de cacau, mostra que desde antigamente ao nosso século já se faziam uso da titulação sanguínea entre componentes com ação sedativa (álcool) e substancias com ação estimuladora (cacau), para provocar um equilíbrio entre antagonistas psicofarmacologicos.

Muitos autores já fizeram pesquisas em referencia ao uso do cacau (chocolate) como estimulante contendo em sua composição triptofano e magnésio, que diretamente agem na produção de serotonina (neurotransmissor responsável pela sensação de prazer e felicidade).

Estes centros de prazeres são conhecidos desde Outubro de 1956 por James Olds que publicou um artigo na revista “Scientific American” implantando um eletrodo no cérebro de um rato na região do hipotálamo, considerado como centro de prazer no cérebro, e também controle dos processos digestivos, sexuais, excretórios e outros semelhantes.
O cérebro possui um funcionamento bioquímico ( drogas, alimentos, neurotransmissores) esta ação também pode ser elétrica, ai encontramos as menções de substancias e aparatos eletrônicos.

No século XXI, os antigos eletrodos foram substituídos por chip’s que iam estimular zonas de prazer, e tais zonas não inteiramente controladas pela consciência , em outras palavras, não podemos decidir sobre todos movimentos que fazemos com o nosso corpo. As posturas ao sentar-se enquanto lê este escrito, cruzar as pernas, colocar uma mão no queixo, tudo é realizado de uma forma automática por partes do cérebro que não pensam lingüisticamente, mas sim por estimulações de conforto e desconforto, ou se preferirem prazer e desprazer. Nós seres humanos como os animais, principalmente mamíferos, podemos ser condicionados a agir sem o concurso do pensamento, isto pode ser provocado através do estimulo do hipotálamo, geralmente considerado o centro de prazer no cérebro.

Nesse aspecto, o chocolate estimulante das funções cerebrais e muito atuante no hipotálamo, pode, e deve ser utilizado na culinária, além de gostoso, pode estimular sensações de prazer na alimentação, melhorando a aprovação de muitos pratos.

O chocolate surge com a descoberta da América, muito utilizado pelos Aztecas que, segundo o Dicionário Etimológico Nova Fronteira, neste verbete nos coloca que:
“Chocolate: Produto alimentar. Feito de amêndoas de cacau torradas XVII. Do cast. Chocolate, voc. De origem Asteca, mas de formação incerta – chocolateira 1706. Do cast. Chocolatera”

Bibliografia:
MÁRQUEZ, Gabriel Garcia. Do Amor e Outros Demônios, Rio de Janeiro, 3ª ed., ed. Record, 1994.
OLDS, James. Centro de Prazer no Cérebro, in psicolobiologia as base biológicas do comportamento, textos da Scientific American, São Paulo, ed. Polígono, 1970.
______www.clikfamilia / Zonas Erógenas.O que São e Sua Importância a Vida Sexual.
CUNHA, Antonio Geraldo da. Dicionário Etimológico Nova Fronteira da língua Portuguesa, Rio de Janeiro, 2ª ed., ed. Nova Fronteira, 1986.