Acerola: atraente, saborosa e rica em vitamina C

Acerola
Foto: Afonso Lima

A acerola (Malpighia glabra L.) é uma fruta originária da América Central, e largamente cultivada no oeste da Índia e América do Sul. Com uma cor que pode variar entre verde suave, amarelo alaranjado e vermelho escuro brilhante, dependendo do grau de maturação, é uma fruta visivelmente atraente e que também agrada o paladar.

O Brasil é o maior produtor, consumidor e exportador de acerola no mundo. Existem muitas variedades da fruta, que podem ser classificadas de acordo com seu sabor, doce ou azeda.

É uma fruta especialmente rica em vitamina C, além de também fornecer beta caroteno, ferro e cálcio. Estima-se que a fruta pode conter de 1040mg/100g a 1790mg/100 de vitamina C, cerca de 30 vezes mais que o contido em 100g de laranja. O processo de maturação influencia na quantidade dessa vitamina, que passa a ser menor, conforme a fruta fica mais madura. As acerolas azedas são mais adstringentes e, consequentemente, possuem mais vitamina C. A cor vermelha também é um indicativo de saúde, pois é decorrente da presença de antocianinas, composto que com capacidade antioxidante, anti-inflamatória, provoca vasodilatação, entre outros benefícios.

A acerola pode ser ingerida de forma natural ou em preparações como suco, compotas, geleia, doces, entre outras. É uma fruta muito delicada que deteriora em 3 dias após sua colheita, e se houver ruptura da película, o prazo diminui. Esta é a principal razão pela qual a acerola comumente passa por processamentos industriais, resultando em sucos, polpas e outros produtos. Mesmo após o processamento da acerola, os produtos ainda mantem alto conteúdo de vitamina C, apesar das perdas.

In natura ou em alimentos processados, a acerola traz muitos benefícios à saúde e deve ser incluída na alimentação, tornando-a mais saudável e atrativa.

Soja Preta, propriedades e benefícios

Quando falamos em soja, automaticamente, vem à cabeça aquele grão arredondado e amarelo, variedade mais cultivada no país. Atualmente, outra espécie de soja que começou a ser mais difundida, tem coloração preta e ganhou notoriedade pelas propriedades nutricionais que possui.

A soja preta é tão nutritiva quanto a soja amarela, pois seus conteúdos de proteínas e de isoflavonas são bem similares. A diferença está na cor! Sua casca escura possui antocianinas, um fotoquímico com ação antioxidante. As antocianinas (das palavras gregas antho = flor e kianos = azul) são as responsáveis pela maioria das cores azul, violeta e todas as tonalidades de vermelho que aparecem em frutas, folhas e raízes de plantas.  Apesar de ser largamente disseminada na natureza, são poucas as fontes comercialmente utilizáveis (vinho e suco de uva). Dentre suas propriedades benéficas, destaca-se seu efeito anticarcinogênico, antioxidante e antiviral.

É comum encontrar alegações errôneas a respeito da soja preta, principalmente em relação a redução de peso. Assim como outros alimentos, a soja possui características benéficas à saúde e proporciona maior qualidade na alimentação quando consumida. Entretanto, não tem propriedades mágicas e não há comprovação científica sobre sua ação na perda de peso ponderal.

Essa variedade de soja é muito consumida no Japão, na Coreia do Norte e na Coreia do Sul. No Brasil o aumento do consumo é recente e não há muitas marcas disponíveis no mercado. A soja preta pode ser utilizada em grãos, cozida, em sopas e saldas ou em farinha que pode ser adicionada a iogurtes, vitaminas e pães.