Batata doce não é batata

Na verdade a famosa batata doce, tão comum em inúmeros pratos da culinária brasileira, não é batata, é um tubérculo.

beneficios-batata-doce-153517305A batata doce é uma raiz, exatamente como a mandioca. Possui uma aparência rústica, de cor escura, entre o vermelho intenso, passando pelo roxo e pela marrom. Nas características nutricionais é rica em Magnésio, Potássio e Cálcio. Para a alegria dos adeptos de regimes com baixas calorias, possui menos amido que a batata comum, nesse ponto é menos calórica.

Os relatos de gastronomia identificam a região do Peru como o local que inicialmente começou a usar essa raiz na culinária. No Brasil está presente em receitas indígenas, sendo a forma assada a mais comum.
Com as viagens na época dos descobrimentos, ganhou o mundo via colonizadores espanhóis e se fez presente no dia a dia dos povos mediterrâneos, como França e Itália.
Basicamente pode ser classificada em quatro tipos, diferindo no tamanho, na cor da casca e na consistência da polpa.
Atualmente é vedete na gastronomia e já passa longe do mundano mundo das batatas fritas.

Batatas não são iguais

batatas
A batata, um dos alimentos mais difundidos ao redor do mundo, foi “descoberta” na mesma época dos descobrimentos, isso é, chegou a Europa em torno de 1570, provinda  da América  Latina, mais precisamente da região hoje ocupada pela Colômbia e Peru.
As batatas originais, muito diferentes das que hoje fazem parte do nosso cardápio, eram ricas em  solanina, um composto tóxico e considerado por muitos, um veneno. Com o tempo o cultivo foi aprimorado, o saber e a  textura adaptados aos gostos da época e o “ veneno” sumiu do repertório popular.
No século XVIII, em virtude das inúmeras guerras e saques, onde o foco eram os animais e os cereais, sobravam somente as batatas para a alimentação dos povos dominados. Com isso, a plantação de batatas e a sua incorporação no cotidiano gastronômico foi naturalmente popularizada. Os Holandeses, Prussianos e Franceses foram estimulados por decretos reais a plantarem batatas, com isso, aumentou a pesquisa e o melhoramento genético do famoso tubérculo.
A partir do século XIX a batata já era o alimento onipresente e definitivamente incorporado no dia a dia da alimentação europeia. Alguns historiadores creditam também á batata, o sucesso da revolução industrial, na medida que promoveu melhores condições de alimentação a população, melhorando a capacidade produtiva e aumentando o mercado consumidor.
Existem milhares de variedades da batata, quase 200 tipos domesticados e incorporados no universo da gastronomia.
O amido, principal componente da batata acompanha o homem há muitos anos, desde a época das arvores e das cavernas, seu sabor adocicado é rico em calorias, induz ao consumo a qualquer hora, nesse ponto um dos fatores relacionados ao sucesso da batata.

No Brasil basicamente consumimos quatro tipos:

Ágata: é uma variedade com pouco amido, muito hidratada ideal para assar e cozinhar, na fritura perde muito de sua qualidade.
Asterix: Possui uma casca avermelhada, possui boa aceitabilidade em frituras e no cozimento.
Bolinha: Com características múltiplas, possui amido na concentração ideal, utilizada em conservas ou assadas com casca.
Caesar: Ideal para assar e cozinhar, com reduzido grau de hidratação, não é ideal para frituras.

Aposte na versatilidade da batata

BatataVersátil, saborosa e acessível, a batata tem seu lugar garantido em diferentes pratos e nos mais exigentes paladares.

Seu cultivo é originário da América do Sul (há cerca de 8000 anos), nas regiões da Cordilheira dos Andes, Peru, Colômbia, Equador, Bolívia e Chile. Apenas em 1570 é que a batata foi levada pelos Espanhóis para a Europa e foram eles, os europeus, que a transformaram em um importante ingrediente.

A batata contém aproximadamente 75-80% de umidade, 20-23% de carboidratos e 2% de proteínas, sendo que do conteúdo de carboidratos, 80% é amido. Mas nem só de carboidrato é feita a batata. De acordo com dados da FAO (2008) este tubérculo apresenta vitamina C, complexo B e minerais como fósforo, potássio, magnésio e ferro. O teor destes minerais pode apresentar variações em função do tipo de batata, local de plantio, clima, maturação e armazenamento.

A aplicabilidade da batata é definida pelas características de cada variedade:

Batata Ágata: amarela, oval, bastante consistente quando cozida ou assada.

Batata Asterix: com casca vermelha e polpa amarela, possui formato oval alongado, e tem ótimas características tanto para o cozimento quanto para fritar.

Batata Atlantic: formato oval arredondado, com casca áspera e polpa branca, é ideal para preparar batata tipo chips (rodelas finas e fritas).

Bintje: formato alongado, com casca e polpa amarela, possui sabor neutro e é boa cozinhar, assar e fritar.

Markies: formato oval alongado, com casca e polpa amarela, tem ótima consistência e, por isso, é ideal no preparo de massas. Também pode ser usada para cozida, frita e assada.

Monalisa: é grande, formato oval alongado, com casca e polpa amarela clara. Pode ser utilizada cozida ou assada.

Mondial: parecida com o tipo Monalisa, porém a casca possui coloração mais forte.

Para armazenar a batata, não coloque em geladeira. Deixe em um local fresco, escuro e ventilado. O excesso de luz deixa a batata esverdeada e a temperatura da geladeira transforma o amido, deixando-a com um sabor adocicado.

Com diferentes tipos de batata você pode cozinhar, fritar, preparar um purê, um rösti, uma tortilla, e até gratiná-la ou recheá-la. É seu sabor pouco marcante e essa imensa versatilidade que a torna tão popular. Afinal, quem é que não gosta de batata?