Quercitina e outros flavonóides na prevenção da doença cardiovascular

imagesEstudo realizado pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, comprovou que o consumo diário de maça, fruta rica em quercitina, melhorou os níveis de colesterol de pacientes que faziam tratamento com estatina.

A quercetina é o flavonoide do momento e esta inserida em muitas pesquisas sobre alimentação saudável e em inquéritos epidemiológicos avaliando a sua relação adjuvante aos benefícios das estatinas – medicação redutoras de colesterol com ampla evidência científica de redução de problemas cardiovasculares. Mas, o fato da quercetina, ou de outro flavonoide, apresentar potencial efeito antioxidante não é sinônimo de que possua funções milagrosas. Há que se lembrar que diversos estudos, com milhares de pacientes, falharam em demonstrar qualquer benefício cardiovascular com a suplementação de substâncias antioxidantes.
Os flavonoides, como a quercitina, teriam uma ação de relaxamento arterial. Mas para isso, é preciso aliar altas doses de vegetais ao baixo consumo de sal e aumento da atividade física, bem como, redução da ingesta de gorduras saturadas.
Há mais de uma década, a Dieta do Mediterrâneo, que se caracteriza pela riqueza do consumo de frutas, verduras, legumes, cereais, leguminosas (grão-de-bico, lentilha), oleaginosas (amêndoas, azeitonas, nozes), peixes e azeite de oliva, mostrou ser capaz de reduzir a chance de um novo infarto e de morte em indivíduos que já haviam tido um primeiro infarto

Na realidade, uma dieta caracterizada simplesmente por um alto consumo de frutas e verduras também estaria associada a benefícios efetivos na redução da Doença Cardiovascular? Essa pergunta merece consideração à luz de estudos multicêntricos com grande número de observações.

 

Os benefícios do fruto proibido: Abacate

Diferente do que se imaginava, as características presentes no abacate (Perseaamericana Mill.) como valor nutritivo, qualidades sensoriais e a riqueza em minerais vem tornando-o um fruto altamente valioso comercialmente.

Antes visto como um vilão nas dietas para emagrecimento, o abacate pode hoje, desde que consumido com moderação, fazer parte da dieta, sem culpa.

Pelo sabor de sua polpa pouco açucarada, o abacate pode ser consumido em preparações doces ou salgadas, de acordo com os hábitos e a cultura dos povos das regiões em que é cultivado. Em alguns países das Antilhas e do Oriente ele é ingerido sob forma salgada ou em conserva, já no Brasil ele é mais apreciado como fruta madura adicionada de açúcar, mel e sob a forma de licores.

O abacate é rico em beta-sitosterol, o principal fitosterol encontrado nos alimentos. O beta-sitosterol se mostra interessante no combate ao câncer de próstata quando reduz os níveis de DHT, uma vez que este hormônio, ao se ligar aos receptores androgênicos, causa hiperplasia prostática (aumento do número de células na próstata) e possibilita o aparecimento do tumor.

Em 100g de abacate, consumimos cerca de 75,3mg de fitosteróis. No entanto, é necessária a ingestão de 2 g/dia de fitosteróis para a redução média de 10-15% do LDL-Colesterol. Então, para alcançar tal recomendação com o consumo de abacate, precisaríamos consumir mais de 2,5kg da fruta por dia, representando o consumo de mais de 4900 kcal! Dessa forma, a forma mais saudável de atingir a recomendação de fitosteróis, é mesclar os vegetais e adicionar uma pequena quantidade de abacate diariamente.

O abacate é também rico em gorduras monoinsaturadas (ácido oléico), substância com possível efeito benéfico coadjuvante no tratamento de doenças cardiovasculares, promovendo a redução dos níveis de colesterol.

Além disso, neste fruto as vitaminas lipossolúveis são muito bem representadas, já que geralmente não estão presentes em outras frutas.

Dentre todas as frutas, o abacate é a mais rica em glutationa, um antioxidante que exerce inúmeras funções fisiológicas como o metabolismo da vitamina C e a proteção do fígado. Ele contém quantidades significantes das vitaminas A e E, também antioxidantes e conhecidas pelo seu poder antienvelhecimento.

GUACAMOLE – a receita famosa:
Ingredientes:
– 3 abacates médios maduros
– 1 tomate em cubinhos
– 1/2 cebola picada
– 1 dente de alho picado e amassado com 1/2 colher (chá) de sal
– 1 pimenta-malagueta sem sementes e picada (opcional)
– 1 e 1/2 colher (sopa) de suco de limão
– 2 colheres (sopa) de coentro fresco picado
– pimenta-do-reino
Modo de Preparo:
Corte os abacates ao meio, retire a polpa com uma colher e coloque em uma tigela. Adicione os ingredientes restantes e misture até ficar uniforme. Tempere com pimenta a gosto.

Autora: Nutricionista Priscila Moreira
Referências:
Rique, A., Soares, E., Meirelles, C. Nutrição e exercício na prevenção e controle das doenças cardiovasculares. Rev Bras Med Esporte vol.8 no.6 Niterói Nov./Dec. 2002.
Martins SLC, Silva HF, Carvalho MR. Efeitos terapêuticos dos fitosteróis e
fitostanóis na colesterolemia. Alan 2004;54(3):257-63.
National Institute for Health and Welfare, Nutrition Unit Based on the Fineli Food Composition Database Release 14 (Decamber 5, 2011).